Páginas

Devolva aqui!

“Há pessoas que nos roubam. E há pessoas que nos devolvem”.

Há pessoas que nos devolvem o sorriso, as ideias, a energia, o incentivo, tudo aquilo que já é nosso, mas que nos esquecemos e deixamos roubar em certos momentos da vida.

Essa frase tem feito cada dia mais sentido para mim. É uma citação do padre Fábio de Melo, que no livro Quem me Roubou de Mim, faz uma análise bem interessante sobre o que ele chama de sequestro da subjetividade. Esse conceito trata desse sequestro que não é físico, mas que leva parte do que somos, que nos afasta de nós mesmos e daquilo que faz sentido para nós.

No primeiro semestre desse ano vivi tempos em que manter minha subjetividade (quem eu sou) apesar das circunstâncias, foi o desafio.  Uma amiga disse: “sabe Tati, é que você está num momento de tirar os pesos”. A princípio concordei, mas em seguida percebi que vivi uma época de devoluções, começando pela decisão de devolver a mim mesma o que sou. É por isso que os pesos precisavam sair, eles não eram meus.

É impressionante como o primeiro passo de coragem dá o impulso para todos os outros. E de repente me vi cercada de pessoas “me devolvendo” também. Como se o Universo todo dissesse “Isso querida, que bom que você teve coragem de se amar”.

Devolver quem somos a nós mesmos tem a ver com responsabilidade e culpa. Responsabilidade para assumir o caminho que desejamos e para compreender que se estamos onde estamos, foi uma escolha nossa. Uma certa culpa também faz parte, a de não agradar a todos.

Pensando sobre tudo isso e escolhendo qual seria meu próximo passo profissional, comecei a refletir sobre o que deixei para trás. Qual foi o rastro que deixei?

Coincidentemente (ou não), fui convidada para fazer uma palestra sobre minha carreira nesse período e revi os passos, as empresas por onde passei, as pessoas que conheci, os projetos, tudo.

Já pensou sobre isso? Quando você passa pela vida de alguém, a deixa engradecida? Quando você já não está mais, sua presença é lembrada com alegria? As empresas nas quais trabalhou cresceram com a sua contribuição? Há gratidão? As portas continuam abertas para você?

Com isso em mente, que tal fazer um exercício?

Faça uma lista das pessoas que te devolvem. Aquelas que quando você chega perto o sorriso abre, você se sente respeitada; elas sempre têm uma palavra boa para oferecer; você se sente bem só de chegar perto e mesmo em silêncio é bom estar ali. Sabe quando a coisa flui de graça, sem esforço? Isso aí!

Faça também uma lista daquelas pessoas que te roubam de si mesmo. Quem hoje na sua vida te faz sentir menor? Quem te faz recuar, paralisar na vida ao invés de andar para frente? Quem atrapalha suas conquistas, ou te faz sentir incapaz? Quem te maltrata (muitas vezes disfarçado de bondade)?

Sem julgamento tá? Veio à mente, escreve o nome na lista, sem pensar se é certo ou errado. Às vezes, vai dar vontade de colocar a mesma pessoa nas duas listas, sinta honestamente em qual das duas essa pessoa cabe nesse momento. Siga o coração, como você se sente é o que vale. E pode ser tudo junto, gente do trabalho ou da vida pessoal. A lista é sua, coloque quem quiser.

E aí? Teve coragem de fazer o exercício?

Às vezes, é preciso muita coragem para admitir que algumas das relações que mais prezamos nos maltratam demais; para admitir que a responsabilidade por definir limites e nos posicionar é só nossa.

Hoje, depois de todo o turbilhão e da coragem de deixar ir tudo aquilo que me “roubava” energia, sorrisos e paz, o que restou foi uma gratidão imensa. Estou realizando vários sonhos que estavam guardadinhos no meu coração, ao lado de gente que “me devolve” sem nem perceber. Uma dessas pessoas é meu grande amigo Luciano Araújo, a quem dedico esse post.

Espero que esse post contribua para grandes devoluções, aquelas que fazem o coração ficar quentinho, pois, trazem a gente de volta para o lugar que é só nosso.


* Lu, obrigada por me ver com olhos tão carinhosos, por me lembrar do que sou capaz e por ajudar sem medir esforços a me devolver para a vida. Você é um amigo incrível, a quem eu amo, respeito e serei para sempre grata. :)

3 comentários:

Luciano Araújo • Design de Imagens disse...

Tati, a amizade verdadeira é isso mesmo, leve e cheia de devoluções naturais. Fiquei realmente emocionado com a dedicatória porque sei que é real, é verdadeira e que sim, posso dizer o mesmo pra você!!!
Tenho ouvido e lido mais do Padre Fábio e sempre aprendo com ele. Seu texto ficou inspirador para aquele que busca as mudanças mas muitas vezes não percebe que o caminho está nele mesmo.
As vezes nem percebemos, mas sempre que nos propomos a fazer o bem verdadeiro, as retribuiçoes e devoluções que chegam até nós, são as melhores possíveis. Por isso, estar com amigos nos faz tão bem!
Muito obrigado por tudo Tati. Vamos continuar a trabalhar e cultivar amizade, ou cultivar amizade e trabalhar... Gerar propósitos diários e de vida! ��

Dani Oliveira disse...

Que lindo Tati, belo post e inspirador.
Ando tendo a oportunidade de fazer e receber algumas devoluções e isso é muito bom. Encontrar a essência de nós mesmo, é o maior presente que podemos nos dar. Sucesso pra você, sempre!

Tatiana Parreira disse...

Lu e Dani, obrigada! Vocês são excelentes!
=***